Pielonefrite: sintomas e tratamento - Instituto Lithos

Pielonefrite: sintomas e tratamento

crise de calculo renal
O que fazer numa crise de cálculo renal?
15 de outubro de 2018
Boas práticas
Boas Praticas para o correto funcionamento dos rins
14 de novembro de 2018
Show all

Pielonefrite: sintomas e tratamento

Pielonefrite

Normalmente causada por bactérias que habitam o intestino, a pielonefrite é uma infecção do trato unitário alto, causada pela vinda das bactérias através da uretra e bexiga e que consequentemente atingem os rins e provocam inflamação. A inflamação é mais comum em crianças com até um ano de idade e, como as outras infecções urinárias, em mulheres. A doença não é fácil, mais grave do que a cistite, pode causar falência renal e sepse se não tratada a tempo e da maneira correta.

Pacientes mais comuns

Como já dito, a pielonefrite é normalmente causada por bactérias que existem no trato intestinal e se desenvolvem com a baixa da imunidade.

Há um grupo que está mais sujeito ao desenvolvimento da doença, principalmente os pacientes imunossuprimidos como diabéticos, portadores de doenças autoimunes, portadores de HIV e transplantados.

Por conta da anatomia, a mulher está mais sujeita a desenvolver a doença, já que a uretra está localizada próximo a vagina e ao ânus, áreas que possuem muitas bactérias.

Mulheres grávidas têm  aumento dos níveis de hormônios como a progesterona que leva ao relaxamento do trato urinário, o que facilita a entrada de bactérias na bexiga e a sua multiplicação.

Homens com hiperplasia prostática benigna, já que há aumento na retenção urinaria.

A pielonefrite exige cuidados, pois pode se tornar um problema mais grave. Não apenas por causar lesões que prejudicam a função renal, mas pelo risco da septicemia, que se trata das bactérias chegarem a corrente sanguínea e espalhar a infeção por todo organismo.

Paciente com cálculos renais, principalmente os cálculos que obstruem o trato urinário, como os impactados na pelve renal ou no ureter, têm grande propensão a desenvolver infecção grave como pielonefrite aguda. E se estes forem submetidos a procedimentos muito invasivos em vigência da crise infecciosas o risco de progressão para sepse é maior, por isso o mais indicado é apenas resolver a obstrução com a passagem de um cateter duplo J, para num segundo momento, após tratamento adequado da infecção, abordar o cálculo.

Sintomas da Pielonefrite

Os sintomas podem ser diferentes dependendo de onde a infecção esteja localizada. Nos sintomas mais comuns estão:

Dor ao urinar, sensação de ardência, queimação ou peso na bexiga;

Sensação constante de precisar urinar e também de que a bexiga está cheia mesmo depois de fazer xixi;

Dor na região lombar, normalmente de forma intensa e apenas em um dos lados;

Febre alta, calafrios, náuseas e vômitos;

Sangue na urina.

Classificações da doença

Aguda: Causada por infecção bacteriana profunda, em que os organismos estão se multiplicando aceleradamente;

Crônica: Reconhecida quando a pessoa apresenta casos repetidos da doença. Pode trazer sequelas ao rim e evoluir para doença renal crônica, normalmente acontece em pacientes que possuem predisposição para infecção urinaria, como refluxo de urina na bexiga para o ureter, obstrução prolongada do ureter causada por calculo e má formação do sistema urinário.

Como é feito o diagnostico 

O urologista diagnostica através da avaliação dos sintomas relatados pelo paciente, exame físico e também de sangue e urina para verificar a presença de sinais de infecção.

Também podem ser solicitados ultrassom e tomografia computadorizada para comprovar o diagnóstico, assim como urocultura e antibiograma para identificar qual o causador da doença e estabelecer a melhor linha de tratamento.

Prevenção da doença

Alguns cuidados podem prevenir o surgimento da doença:

Beber muito líquido; não segurar a vontade de urinar; sempre realizar higiene após atividade sexual; tratar das doenças que diminuem a imunidade e dar o devido acompanhamento e também tratar corretamente dos cálculos renais.

Esses cuidados já fazem muita diferença para a possibilidade de ser acometido pela doença, e caso surja algum dos sintomas, procure o médico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *